25 de Abril de 2021

Foi publicado no Jornal da Madeira, a 24 de abril de 2021, o meu artigo de opinião sobre "Um testemunho sobre o dia 25 de abril de 1974".

 

Aqui fica o link e o texto:

https://www.jm-madeira.pt/opinioes/ver/4895/Um_testemunho_do_dia_25_de_abril_de_1974

Fotografia papa - 25 de abril de 1974.jpg

 

Um testemunho do dia 25 de abril de 1974

O feriado nacional no dia 25 de abril, denominado como “Dia da Liberdade” marca e celebra a Revolução dos Cravos ocorrida a 25 de abril de 1974. Nessa data o Movimento das Forças Armadas (MFA) liderou um golpe de Estado militar que depôs o regime ditatorial do Estado Novo.

Este acontecimento chave na história de Portugal é referenciado nos manuais escolares, para que as novas gerações nunca esqueçam o que custou a liberdade. Para além desta fonte de informação, ouvir e ler os testemunhos de quem viveu este dia, de forma intensa, é uma forma privilegiada de aprender. Nascida após o 25 de abril de 1974, partilho convosco a experiência do meu pai, militar durante a Revolução.

Arnaldo Rosa de Freitas, mais conhecido na tropa por Rosa, foi incorporado no 2º turno de 1973, em Abril, apresentando-se em Mafra para o Curso de Oficiais Milicianos. Feita a 1ª parte da recruta cadete, com a duração de 3 meses, foi em seguida, em Julho, para o quartel de Lamego, instalações que formam os conhecidos “Rangers”. Nesta formação na especialidade sofreu um acidente que o levou a um longo internamento, de vários meses, no Hospital Militar do Porto.

Em abril de 1974 teve alta hospitalar e veio à Madeira visitar a família. Recuperado e com a ordem de se apresentar na sua unidade em Lamego, saiu da Madeira no dia 23 de abril, num voo de 4,5 horas, num avião militar com destino a Lisboa. Pernoitou na capital e no dia seguinte, dia 24 de abril, apanhou o comboio para o Porto e seguidamente para o Peso da Régua. Apresentou-se finalmente em Lamego, após uma longa maratona desde o Funchal.

Nessa noite lembra-se de algumas particularidades que lhe chamaram a atenção, sendo a mais relevante o facto de alguns colegas do 1º turno, entretanto já instrutores, andarem com rádios, o que não era autorizado no ano anterior. Tentou saber o que se passava e foi-lhe confidenciado que haveria uma “operação forte” nessa noite, e seriam necessários rádios. Até aqui não estranhou, até porque era normal fazerem-se provas de surpresa na formação, e tinha realizado 3 destas operações antes de sair acidentado. Nessa altura, o irmão do meu pai, o meu tio Pedro também estava a fazer o curso em Lamego, e o meu pai foi visitá-lo na camarata. Este estava muito apreensivo porque tinham deixado as armas na parada, e estas tinham desaparecido. Mais tarde, vieram a saber que tinha sido uma companhia do Porto que tinha levado as armas preparadas para a revolução. As desconfianças do meu pai ficaram sanadas quando o comandante da unidade o informou que não poderia ficar no quartel e que, na madrugada do dia seguinte, o levariam a Peso da Régua para apanhar comboio com rumo a Lisboa e apresentação em Mafra novamente. Entretanto, as rádios lançaram a senha da revolução (a canção “E Depois do Adeus” de Paulo de Carvalho), que deu o sinal para a saída das tropas dos quartéis.

Pela manhã do dia 25 de abril, quando chegou à estação do Porto - Campanhã já havia muita confusão de militares e civis, e só se lembra de comprar uma sandes e querer entrar no comboio com destino a Lisboa. Chegado à estação de Santa Apolónia, e no percurso até ao Martim Moniz, onde tinha ligação de autocarro para Mafra, a situação era bem diferente, com ruas cheias de gente “alucinada”, montras partidas, carros vandalizados e euforia desmedida. A farda já era uma bandeira, as pessoas saudavam e gritavam frases de vitória e “abaixo o fascismo”. À tarde chegou a Mafra e descreve um alvoroço de movimento de carros e cadetes, a se prepararem para saírem para Lisboa. Já havia cravos nas espingardas. O meu pai acabou fazendo patrulha nos arredores de Mafra, em jipe, e armado com a espingarda G3. Esta é a experiência da revolução do meu pai, “um 25 de abril praticamente em trânsito”, como costuma dizer.

publicado por carinafreitas às 09:52 link do post

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Olá Vanice. Obrigada pelo seu contacto. Vou enviar...
Olá! Sou estudante de música e regente de coro inf...
blogs SAPO